Especiais/Viagem e Turismo

(18/01/2014) - Turismo estimula hospedagens alternativas durante a Copa

Com foto Sem Foto

BRASÍLIA: A Capital Federal prepara um camping com capacidade para receber cerca de 450 pessoas
Divulgação

O Ministério do Turismo mobilizou representantes das doze cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 para investirem em hospedagens alternativas para o torneio.

No fim do ano passado, o Ministério recomendou que as cidades-sede elaborassem um plano de contingência em caso de excesso de turistas, preparando-se para a montagem de acampamentos públicos temporários e estruturas de alojamentos.
A capital Brasília avançou em seu programa de hospedagens do tipo cama e café, com inscrições de 325 residências, e prepara um camping com capacidade para receber cerca de 450 pessoas. O Rio de Janeiro acelerou ações para receber turistas em cruzeiros e cama e café.

Outra opção de hospedagem são os imóveis para aluguel. As doze cidades-sede do mundial oferecem juntas 4,2 mil imóveis para aluguel no período. A capacidade total de hóspedes, segundo levantamento do MTur, é de 22,4 mil, que podem ser úteis para aumentar a oferta de acomodações para turistas no período da Copa.

Os dados do MTur revelam também que o Rio de Janeiro tem 2,7 mil imóveis de aluguel com capacidade para atender cerca de 15 mil pessoas, a maior oferta entre as cidades-sede.

Depois do Rio, aparece Salvador (BA), com 507 unidades; Fortaleza (CE), com 365; e Natal (RN), com 216.

Juntos, estes apartamentos e casas têm condições de abrigar 5,5 mil indivíduos. Recife (PE) está na sexta posição, com 130 imóveis e capacidade para 624 hóspedes, como mostra a tabela abaixo.

Maior destino de negócios do país, a cidade de São Paulo oferece 141 imóveis em condições de atender 512 pessoas. As demais cidades-sede (Brasília, Belo Horizonte, Cuiabá, Curitiba, Manaus e Porto Alegre) possuem, juntas, 188 imóveis disponíveis para aluguel.

O objetivo é oferecer leitos a preços acessíveis a turistas brasileiros e estrangeiros e ajudar a conter o preço abusivo de parte dos meios tradicionais. "Queremos estimular o mercado a oferecer hospedagens adequadas para os diversos perfis de turistas que a Copa do Mundo atrai sem prejuízo dos meios tradicionais", explicou o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

Para o ministro do Turismo, o dado indica que o próprio mercado pode regular aqueles que queiram praticar diárias com valores abusivos. “Quando você aumenta a oferta, tem capacidade de fazer com que o próprio mercado coloque juízo naqueles que queiram praticar uma diária exorbitante”, disse Gastão Vieira.

As hospedagens alternativas agradam brasileiros e estrangeiros. Do total de visitantes internacionais (5,67 milhões) que estiveram no país em 2012, estima-se que quase a metade deles (44,2%), ou seja, 2,5 milhões escolheram esse tipo de hospedagem durante sua estada no país. Os albergues e camping (4,9%) abrigaram 278,1 mil estrangeiros, as casas alugadas (11,9%) outros 675,4 mil e as casas de amigos e parentes (27,9%) mais 1,58 milhões de visitantes.

De acordo com a Pesquisa de Serviço de Hospedagem, do IBGE, e dados levantados pelo MTur, as hospedagens alternativas disponíveis acrescentam 59.713 leitos às capitais da Copa, entre eles 3.491 na modalidade pensões de hospedagem, como o cama e café; 3.804 em albergues; 22.478 leitos em imóveis para aluguel e 29.940 em motéis. Até a Copa, segundo um levantamento do Ministério do Turismo, de dezembro de 2012, estão previstas mais 25.548 unidades habitacionais em hotéis, apart hotéis e pousadas.

O Ministério criou um site para divulgar opções de hospedagens alternativas em capitais como Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA). www.hospitalidade.turismo.gov.br. 


RIO DE JANEIRO: A Capital Fluminense tem a maior oferta de imóveis de aluguel entre as cidades-sede do mundial


Legenda: Rubens Chiri/Banco de Imagens do Estado de São Paulo
SÃO PAULO: A Capital Paulista tem condições de atender 512 turistas em 141 imóveis para aluguel durante o torneio


Imprimir