Política/Política

(15/05/2019) - Fraude de R$ 2 milhões envolve um único servidor acusado de desvio

Com foto Sem Foto

CRONOGRAMA: Diretor-presidente Nilton Vieira confirmou intimação de acusado dia 21 de maio
Tininho Júnior

A comissão de sindicância que apura desvio no Instituto de Previdência constatou que o esquema de fraude foi encabeçado por um único servidor. A certificação ocorreu após a sindicância pedir quebra de sigilo e receber os dados bancários do suspeito. Ele está afastado e acusado  do rombo de R$ 2 milhões nos cofres da autarquia. O diretor-presidente do Instituto, Nilton Vieira, informou que o servidor foi chamado a prestar esclarecimentos, mas não compareceu nem mesmo na oitiva das testemunhas. Agora, foi intimado a comparecer dia 21 de maio após deliberação da comissão. “Ele era responsável pela folha de pagamento, um funcionário de confiança que mantinha os pagamentos dos aposentados mesmo após o falecimento. Alterava o sistema  da conta bancária e enviava os depósitos para sua conta e da filha”, disse o diretor.

Outra constatação é de que ele fazia acessos remotos, o que possibilitava a alteração do sistema fora da autarquia. Todo o processo com as inconsistências foi encaminhado ao Ministério Público e Polícia Civil. “Dois funcionários deverão prestar informações à polícia sobre aquilo que sabem”, disse o diretor. Segundo ele, no âmbito administrativo o acusado responderá por peculato e improbidade administrativa. A comissão solicitou prazo de 60 dias para entregar o relatório final. “Estamos providenciando sistema de controle interno e auditoria para evitar novas situações como essas”, finalizou o diretor. O Instituto de Previdência tem 1.500 servidores aposentados com folha de pagamento mensal estimada em R$ 3,5 milhões.


Imprimir