Opinião/Editorial

(18/07/2019) - A busca de soluções na saúde

A Santa Casa de Olímpia agendou para hoje, 18 de julho, às 16 horas, cerimônia de inauguração de nova ala hospitalar. A ampliação eleva em 30% a capacidade de internação na instituição.

Há vários pontos positivos na solenidade, envolvendo saúde e gestão pública, participação da iniciativa privada, contribuição comunitária e enorme zelo para com questões humanas e sociais.

A luta de recuperação dos hospitais filantrópicos é uma peleja sem fim. Barretos vem encarando com enorme dificuldades o resgate da Santa Casa. São exigências cada vez maiores e barreiras cada vez piores.  Os embates são técnicos e burocráticos,  convênios e equipes profissionais, recursos federais e estaduais, a intervenção municipal e a gestão terceirizada.

A importância da Santa Casa para Barretos não é diferente de quase todos os municípios do país. Em algumas localidades, nem mesmo auto de vistoria dos bombeiros está disponível. Em outras unidades, as dificuldades são de pronto atendimento, de vagas nos leitos e equipes intensivistas para serviço diuturno.

Diante do real e verdadeiro, do concreto e pesado cenário geral, o evento em Olímpia não está restrito as terras da Cidade Menina Moça. A estância turística regional valoriza a Santa Casa como porta da necessária "misericórdia". Como escreveu Coelho Neto, pudesse "ficar sempre vazia" por falta de pacientes.  Em havendo porém enfermos, não pode nenhuma Santa Casa  ficar de mãos vazias e indiferente. Olímpia revela a beleza de um combate inadiável.

A nova ala Phillippe Duval da Santa Casa da Olímpia é um sinal de esperança.


Imprimir