20 de Outubro de 2019 | 05:59:29

20 de Outubro de 2019 | 05:59:29

23/01/2014 | Opinião / Editorial

Um saldo positivo e decepcionante em 2013

A secretaria estadual da Fazenda divulgou repasse de ICMS no valor de R$ 3.140.229,43 para o município de Barretos até o dia 17 de janeiro

O relatório final apresentado pelo governo federal para o emprego formal em Barretos apontou saldo positivo de 685 novas vagas abertas. Foram 15.975 admissões e 15.290 desligamentos ao longo de 2013.

O saldo positivo vem especialmente com a "administração pública", que fez 478 admissões e 55 desligamentos, proporcionando saldo de 423 vagas formais. A Indústria da Transformação gerou 363 novas vagas, resultado de 2.974 admissões e 2.611 desligamentos. O Comércio avançou com 227 vagas novas, com 4.150 admissões e 3.923 desligamentos.

Os "buracos negros" na atividade profissional foram causados com a eliminação de 98 vagas na construção civil, 171 no setor de serviços e 63 na agropecuária. O quadro mais negativo veio em dezembro, quando a cidade cortou 437 empregos formais, com 808 admissões e 1.245 desligamentos. O último mês do ano foi assustador em serviços, com duro corte de 295 vagas formais de emprego.

O modelo de cortes em dezembro tem sido sistematicamente aplicada pelo sistema econômico e gestor. Em 2012, o corte foi ainda mais profundo, com a eliminação de 869 vagas formais. Entretanto, o saldo acumulado tinha sido mais expressivo.  Mesmo com "demissões de 1.883" trabalhadores em dezembro de 2012, o saldo ao longo de 12 meses foi de 1.123 novas vagas preenchidas.

Os dados merecem comparações: entre janeiro e dezembro de 2012 foram 16.384 admissões e 15.261 desligamentos. Saldo de 1.123 vagas. Em igual período de 12 meses de 2013, foram 15.975 admissões, 15.290 desligamentos, saldo de 685 empregos.

O quadro barretense retrata com fidelidade os aspectos macroeconômicos nacionais, os aspectos internacionais e as diversas facetas do mercado interno e externo. Mas é preciso colocar "luzes" para as condições locais, analisar a execução das "lições de casa" e atentar para as muitas oportunidades geradas pelas diferentes crises.

- As dificuldades da Santa Casa, a dificuldade de conclusão de obras de fomento ao turismo e a queda nos valores dos produtos made in Barretos para exportação foram fatores "visíveis", mas talvez apenas a ponta do iceberg barretense.

A missão do poder público é planejar uma cidade melhor e ajudar a comunidade a crescer no entusiasmo, gerando diretrizes e criando fomentos de desenvolvimento sustentável, proporcionando forças coletivas que sustentem a esperança. Mas é também no "despertar" do empreendedorismo, no alavancar novos espaços da iniciativa privada, que a cidade vai ganhar impulsos transformadores.

Uma classe política mais competente e confiável e um setor empresarial de mais confiança e determinação fazem hoje exigências inadiáveis para Barretos enfrentar sem medo os desafios de 2014. Eis o que mostra o número de emprego formal do ano passado.