14 de Outubro de 2019 | 00:33:05

14 de Outubro de 2019 | 00:33:05

25/01/2014 | Opinião / Editorial

Um nome para o Troféu dom José 2014

O homenageado do Troféu Dom José de Mattos tem um perfil de amor e energia interior

O Grupo Monteiro de Barros realiza todo início de ano pesquisa de sondagem para apontar o "ganhador" do Troféu Dom José de Mattos Pereira.

A promoção idealizada pelo jornalista Monteiro Filho no início da década de 80 nasceu com o objetivo de "exaltar" a memória viva do primeiro bispo diocesano de Barretos. Entre 73 e 76, dom José de Mattos Pereira realizou o ardo trabalho de implantação diocesana.

- A figura de bondade e firmeza, de pregador e comunicador, "a joia preciosa do cardeal dom Paulo Arns" foi uma semente transformadora na história da imprensa barretense, dando nova alma ao estilo jornalístico na cidade.

A lista dos homenageados envolve todos os bispos diocesanos barretenses, incluindo dom Antônio Maria Mucciolo, dom Pedro Fré, dom Antônio Gaspar e dom Edmilson Amador Caetano. A relação tem ainda industriais, empresários, médicos, compositor e comunicadores. Uma bela lista de nomes imortais.

Por ser prêmio de reconhecimento, de valorização de uma trajetória de vida, alinhando a visão de sucesso pessoal e comunitária, o troféu tem revelado na verdade "a face humana barretense".

É justamente dentro deste contexto de "contribuir para a construção de uma cidade mais humana e fraterna, mais solidária e justa, que a inspiração de Dom José de Mattos Pereira oferece a diretriz para escolha do homenageado 2014.

A solenidade de entrega da homenagem coincide com a festa de fundação de O Diário. Porque é o elo autêntico entre a proposta de homenagem e de testemunho. O trabalho da imprensa é também focar "fatores humanos" e o troféu é símbolo das manifestações positivas do cotidiano e da história.

Em Barretos, existe um poder extraordinário de "superar as barreiras".  Muitos dos sonhos realizados pelos barretenses foram frutos da inspiração e dafé. Diversos projetos foram executados contra todas as previsões e tendências, justamente pela capacidade formada na esperança e na persistência. A própria caminhada de O Diário é um exemplo de fazer possível o que se julgava inicialmente missão impossível.  A grandiosidade do HC, a fama internacional de Os Independentes, a trajetória da
Unifeb e o Frigorífico Minerva são exemplos da imagem vencedora barretense.

As conquistas foram concretizadas em função do jeito de ser do barretense.  Mesmo não sendo uma terra de grandes rendas, de expressões políticas e econômicas, é impressionante como "a marca Barretos" tem projeção. A explicação é dada pelo "carisma" pessoal existente no Chão Preto.

O troféu dom José de Mattos Pereira espelha justamente o contraditório, o dualismo saudável,  a clareza que existe o "bem" para combater "o mal", a força para superar as dificuldades, a liderança para apontar o roteiro e uma extrema capacidade de acreditar nos momentos de pessimismo e tristeza.

O homenageado do Troféu Dom José tem um perfil de amor e energia interior.