23 de Outubro de 2019 | 08:10:09

23 de Outubro de 2019 | 08:10:09

26/01/2014 | Opinião / Editorial

Podemos aprender com o Fabrini

O barretense Luiz Carlos Fabrini tem muitas virtudes e uma vida de lições

O barretense Luiz Carlos Fabrini tem muitas virtudes, diversos apelidos e uma vida de lições. Cronista, escreveu "nunca esqueceremos ". Narrador esportivo, trabalhou na Nacional e na Independente. Foi assessor no Sindicato Rural e na Prefeitura. Publicou um livro, escreveu para O Diário e integra a Academia Barretense de Cultura. Morou em Barretos, Uberlândia, São Paulo e Rio Preto para se tornar uma personalidade brasileira, um agente da comunicação social e uma voz de sabedoria.
- O dia 27 de janeiro assinala 80 anos de vida do extraordinário barretense.

Casado com a Sally, pai do Luizinho, Guilherme e Ligia, assumiu o comando esportivo da Rede Vida de Televisão e apresenta "Este é o meu Brasil".

Com problemas renais, Luiz Carlos Fabrini luta com fibra e determinação, inspirado nos exercícios marianos.  Com os aborrecimentos diários, o barretense faz orações e amplia sua fé na misericórdia divina, alimentado pelos exemplos pelo carpinteiro de Nazaré. Com as tarefas no trabalho, oferece orientação e disciplina, como um modelo paulino.

Ora era o Rosca no interior, ora o Luiz César na capital, ora era o "P" na Copa da Itália, jamais deixou de ser "o amigo inspirador" e "confiável",  o mestre orientador e o companheiro animador.

- Esse é o Fabrini que amamos, todos, juntos, continuamos torcendo pelo que faz - confessa o imortal José Vicente Dias Leme.

Todo jovem comunicador tem na trajetória profissional de Luiz Carlos Fabrini "um caminho de luz" a trilhar. O seu estilo pessoal serve de indicação, suas instruções funcionam como ponte para a verdade e seus comentários operam como roteiro de ética e responsabilidade.

Até com seus erros, o barretense ensina, porque revela a humildade como virtude humana. Até com suas tristezas, o pai carinhoso indica a simplicidade como dom de partilha. Até com suas manias, o cidadão aponta a exigência da responsabilidade comunitária e coletiva.

Mas como chegar aos 80 anos sem ter superado as dificuldades para construir a face da certeza? Não teria sido possível chegar aos 80 anos sem as dores no coração, para fortalecer a alma! Como encontrar tamanha felicidade por ter sido abençoado com os 80 anos de vida sem ter orado tanto?

Este é o Luiz Carlos Fabrini que se há de lembrar em todos os momentos, em todas as divertidas histórias, em todos os jogos decisivos na tela do Canal da Família, em cada conversa fraterna.
80 anos que podem ser resumidos na certeza de ser "um homem da paz e do bem".