14 de Outubro de 2019 | 17:48:43

14 de Outubro de 2019 | 17:48:43

29/01/2014 | Opinião / Editorial

O futuro da Independente onda média

A Rádio Independente tem a mais completa fidelidade e identidade com o barretense

Em janeiro de 1960, Barretos ganhou sua segunda emissora de rádio. A Rede Piratininga convocou o radialista Nadir Kenan para montar sua filiada no Chão Preto.  Pouco tempo depois, entrando na vida política,  o radialista de Jaboticabal indicou Monteiro Filho como seus substituto.

Monteiro Filho tinha formado em junho de 55 a equipe da Reportagem que não Para na Rádio Barretos. Aceitou o desafio e foi trabalhar na emissora da rua 14 como gerente.

Em 68, quando a Rede Piratininga foi obrigada a vender várias emissoras, Monteiro Filho levou proposta de aquisição em parcelas sem juros, criando a Rádio Independente de Barretos e colocando a emissora no prédio da 17.

O elenco de locutores e técnicos na 1.010 sempre teve a soma do talento com a luz da informação. Valdir Pacheco e Kassim Zaiden,  José Roberto Fernandes e Domingues Neto, Luiz Carlos Messias e José Carlos Domaraski. E teve a turma do esporte incluindo Carlos Lima e Carlos Costa. A emissora teve ainda na área técnica Julinho e Hawilton.  O escritório começou com a Cida e passou para a Dilma.

A Independente foi uma escola e os maiores mestres foram exatamente Joel Waldo Dal Moro, Marco Antônio Siqueira de Mattos e Luiz Carlos Fabrini. A lista dos discípulos extraordinários e a relação de radialistas formados na Independente são incontáveis. E a presença viva e forte, atuante e responsável, vibrante e confiável, fez a emissora ser fonte de informação e formação, referência profissional e centro de cultura transformadora. As histórias são memoráveis e épicas, nas coberturas da campanha do Touro do Vale, nas eleições municipais, nas festas de rodeio, na instalação da diocese e da 13a. Região Administrativa. Além de contar a história, foi colaboradora para construir a realidade da comunidade barretense e regional.

Difícil imaginar como seria a respiração de Barretos hoje sem ter tido no ar na Independente AM.

Eis porque se questiona com "interesse vivo" e "anseio legítimo" o futuro da Independente AM. Ora, a antiga emissora de onda média está desaparecendo. Uma decisão de Brasília indica que no projeto de digitalização do país, a AM passará a ocupar novo espaço em FM. O objetivo é melhorar a qualidade do áudio oferecido. O governo federal está providenciando a "regulamentação da medida", estabelecendo as normas e os espaços no espectro de sintonia.

Apesar de toda revolução tecnológica e o surgimento de novas tecnologias de comunicação de massa, a Rádio Independente tem com o Repórter Sabe Tudo, a Verdade Total e no Mundo dos Esportes a mais completa fidelidade e identidade com o barretense.

O futuro portanto indica mudanças de "onda". O rádio AM desaparece, mas a alma de uma emissora comprometida com o ser barretense será eterna.