13 de Dezembro de 2018 | 04:35:02

29/03/2015 | Opinião / Opinião Aberta

Água, um desafio que precisamos enfrentar

Por Guilherme Ávila

Água, um desafio que precisamos enfrentar

Prefeito Guilherme Ávila
Assessoria da Câmara

Ampliar foto

“Águas são muitas; infinitas”. Este trecho do primeiro documento descritivo do Brasil, a Carta do Descobrimento (1500), de Pero Vaz de Caminha, traz uma convicção que se fortaleceu ao longo dos séculos, de que os recursos hídricos no Brasil seriam ilimitados. Tal sensação de fartura contribuiu tanto para formação da matriz energética predominantemente hidrelétrica quanto para o comportamento de cada um de nós. Mas a crise hídrica de 2014 nos mostrou que a água é um recurso essencial limitado e que, se não agirmos com muita responsabilidade, nossa vida poderá ser gravemente prejudicada.

O abastecimento de água de Barretos hoje depende em grande parte da captação em rios, responsável por cerca de 60% da oferta de água. Os outros 40% advém principalmente dos poços profundos. Quando notamos uma queda acentuada no volume de água do Córrego Pitangueiras, no ano passado, decretamos imediatamente o racionamento. Fomos a primeira cidade da região e uma das primeiras do estado a tomar esta medida, instituindo multa contra o desperdício. Apesar de ter gerado críticas, a medida depois foi adotada em vários municípios paulistas.

Investimentos como a interligação de adutoras, a substituição de redes antigas, algumas da década de 1930, e o controle em tempo real dos reservatórios através da telemetria também foram fundamentais para, naquele momento, manter o abastecimento. Graças a isto, embora tenhamos decretado o racionamento, não houve rodízio no abastecimento.

Eu acredito que a prevenção contra futuros problemas também passa pela diversificação, com a forma mista da captação. Por isto vamos construir ainda este ano mais um poço profundo, que ampliará em 15% a oferta de água na cidade. Já o projeto do Córrego Rio das Pedras está sendo readequado. Nossa intenção é que seja modular, podendo ampliar o volume de captação de acordo com os recursos hídricos e financeiros.

O certo é que temos que continuar nos preparando e conscientizando a todos da importância de preservar este recurso natural. Precisamos continuar dando ao SAAE capacidade de investir, pois destes investimentos depende o futuro da água na nossa cidade. Como diz o mote da campanha do Ano da Água, vamos fechar a torneira do desperdício e abrir a torneira da razão.

Guilherme Ávila - Prefeito de Barretos