23 de Outubro de 2019 | 02:57:26

23 de Outubro de 2019 | 02:57:26

21/07/2015 | Especiais / Agronegócio

Associação Nacional de Confinadores capacita trabalhadores em Barretos

Curso acontece entre dos dias 29 a 31 de julho na sede do Sindicato Rural do Vale do Rio Grande e tem taxa de R$ 120

Associação Nacional de Confinadores capacita trabalhadores em Barretos

Objetivo dos organizadores é instruir os trabalhadores sobre como lidar com práticas e manejo para obter sucesso nos confinamentos
Divulgação

Ampliar foto

A Associação Nacional de Confinadores promove entre os dias 29 e 31 de julho a sétima e última etapa  da Escola de Confinamento 2015. O objetivo da iniciativa é capacitar trabalhadores de propriedades de confinamento de gado, que podem, assim, estar melhor preparados para executar suas tarefas, contribuindo para agilidade dos processos, uso de boas práticas de produção, respeito ao bem-estar animal e redução de custos. As aulas serão realizadas no Sindicato Rural do Vale do Rio Grande com visita ao confinamento Monte Alegre. De acordo com a assistente técnica, Juliane da Silva Gomes, o objetivo é elevar  o nível da mão de obra no campo. "É um setor que está com muita deficiência e nosso objetivo é melhorar a qualidade e o nível de conhecimento dos colaboradores que lidam diariamente com a rotina de um confinamento", disse.

Segundo ela, o cronograma da escola foi montado a partir de pólos representativos de agropecuária no Estado de São Paulo. "Escolhemos cidades que têm representatividade de rebanho e produção, nos anos anteriores visitamos algumas regiões como Araçatuba e Presidente Prudente e agora voltamos a Barretos", explicou. Serão três dias de palestras sobre manejo sanitário, nutrição de bovinos confinados, manejo de identificação animal, instalações de confinamento, produção de silagem, entre outros assuntos, além de uma visita técnica no último dia. As inscrições no valor de R$ 120 por participante podem ser feitas pelo site www.assocon.com.br

Os associados e colaboradores de confinamentos filiados à Associação são isentos da taxa. Juliane ressaltou que a atividade requer bastante investimento e o uso da tecnologia tem sido crescente. "Não adianta colocar muita tecnologia e não ter equipe capacitada para lidar com tudo e acaba dando prejuízo ao produtor que não conseguirá o retorno", disse. Serão dois dias de teoria e o aluno terá a noção de como é a rotina de um confinamento e quais os pontos principais  para obter sucesso na atividade em um curso completo. "A Associação está de portas abertas para receber todos que tiverem interesse em conhecer um pouco mais da atividade e queira trocar experiência", finalizou.