22 de Junho de 2018 | 17:54:18

17/08/2016 | Opinião / Opinião Aberta

Cai ou Caí

Por Luciano Borges

Uma questão de pronúncia

“Na primeira Olimpíada, eu caí de bunda. A segunda, eu caí de cara. E, nessa, eu caí de pé”.

“Diego me representa. Meu novo lema de vida: já cai de bunda e de cara, esperando a hora que vou cair de pé”.

Será que há algum erro de português nas frases acima?

O dado comum é o verbo “cair” apresentado nas duas sentenças como a estrela maior na produção de sentido. Aliás, se na primeira o autor é o medalhista olímpico Diego Hypolito, o da segunda é um “anônimo” que tomou a frasedo atleta para si a fim de publicá-la em seu perfil nas redes sociais, adequando-a antes ao próprio contexto.

Nas frases aqui em estudo, no primeiro caso, “caí de bunda, eu caí de cara...”, a flexão do verbo cair tem o acento agudo, o que não se verifica no segundo, em que se lê: “cai de bunda e de cara”. Logo, há mesmo um erro de português. Mas, como encontrá-lo?

Nos bancos escolares, os professores ensinam que se deve acentuar o segundo elemento do hiato, quando este for “i” ou “u” tônico. Assim, ao se aplicar a separação de sílabas na forma verbal “ca-í” encontra-se um hiato (vogais em sílabas diferentes).

Analisando um pouco mais, pode-se notar que o segundo elemento é um “i” pronunciado mais forte que o “a”.

Concluída a análise, é seguro afirmar que a primeira frase é a correta, pois registra o acento. Ou seja, elaobserva o que se espera como normalidade na língua escrita culta.

A bem da verdade, o contexto de escrita da segunda frase (rede social) é menos formal do que o da primeira (notícia de jornal). Sendo, portanto, mais lamentável que houvesse um erro no primeiro caso que no segundo.

Luciano Borges é mestrando em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie