20 de Outubro de 2019 | 05:58:47

20 de Outubro de 2019 | 05:58:47

11/09/2012 | Esporte / Crônica

Brasil se supera em Londres

Por Giovana Leonardi

Os atletas brasileiros se superaram nas paraolimpíadas de Londres, encerrada no final de semana. O Brasil atingiu uma marca histórica de 21 medalhas de ouro, superando os 16 ouros registrados nos Jogos de Pequim em 2008. O país finalizou a competição em sétimo lugar no quadro de medalhas. Foram 43 no total, sendo 21 de ouro, 14 de prata e 8 de ouro.

Os atletas dessa paraolimpíada nem sempre são tão conhecidos, quanto os destaques das olimpíadas, realizadas no mês de julho também em Londres. O atletismo teve maior número de medalhistas na competição, com destaque para: Lucas Prado, Odair Santos e Daniel Silva medalhas de prata, Felipe Gomes é ouro e bronze, Alan Fonteles e Yohansson Nascimento são ouro,  Jonathan Santos é bronze, Terezinha Guilhermina é ouro, Jerusa Santos é prata, Jhulia Santos é bronze, Shirlene Coelho é ouro, Tito Sena é ouro, e Claudiney dos Santos é prata, em diferentes provas da modalidade.

Na Bocha, Maciel Souza Santos e Dirceu Pinto são ouro e Eliseu dos Santos é bronze. Também teve medalha na Esgrima, com Jovane Guissone garantindo o ouro. A seleção masculina ficou com o ouro no futebol de cinco. A seleção masculina ficou com prata no Goalball. Pelo Judô, Michele Ferreira e Daniele Bernardes são bronze, Lúcia Teixeira é prata e Antonio Tenório é bronze. A natação teve muitas conquistas, com Daniel Dias conquistando várias medalhas de ouro, André Brasil com prata e ouro, Phelipe Rodrigues é prata, Joana Silva é bronze e Edênia Garcia é prata.

Ser atleta não é fácil. E quando se tem alguma deficiência, parece que superar limites fica ainda mais difícil. Nossos representantes mostraram que têm garra, fibra, persistência, dedicação e entusiasmo em vencer na vida, especialmente no esporte. Em Londres, o Brasil ficou atrás, respectivamente, de China, Rússia, Reino Unido, Austrália, Ucrânia e Estados Unidos. A meta para os Jogos da Rio 2016 é alcançar a quinta posição, o que parece possível para essa turma de quase anônimos que tem grande orgulho de representar o País. O desempenho nas paraolimpíadas é a beleza do esporte.

Giovana Leonardi é jornalista.