25 de Abril de 2017 | 01:43:37

12/04/2017 | Cidade / Cidade

Carteiros protestam e sindicato critica nova forma de entrega de correspondências

Empresa diz que mantém diálogo com trabalhadores e defende mudança

Carteiros protestam e sindicato critica nova forma de entrega de correspondências

PROTESTO: Sindicalista Oséas Vieira explicou sobre a manifestação dos trabalhadores dos Correios
Tininho Júnior

Ampliar foto

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Ribeirão Preto e Região, Oséas Vieira, acompanhou manifestação dos funcionários da empresa em Barretos. Segundo ele, o protesto, realizado ontem, em frente ao centro de distribuição na rua 20, foi contra a implementação de um modelo de entrega de correspondências chamado DDA – Distribuição Domiciliária Alternada. “Os trabalhadores vão deixar de passar nas ruas todos os dias. O carteiro irá passar dia sim, dia não. Isso precariza ainda mais o serviço dos Correios que já está ruim na cidade e sobrecarrega os trabalhadores”, afirmou. Segundo Oséas, a reivindicação principal da categoria é por mais contratações e para se fazer valer uma ata assinada pelo presidente da empresa, onde assume o compromisso de não implementar esta metodologia de entrega em nenhuma unidade do Brasil.

“Aqui em Barretos a gerência local está passando por cima inclusive da determinação do presidente”, argumentou o sindicalista.  “Infelizmente a unidade de Barretos está abarrotada de encomendas e correspondências com muitos dias de atraso. Essa metodologia irá precarizar mais o serviço e a população será ainda mais prejudicada por conta disso”, declarou.

OUTRO LADO
Em nota, a assessoria dos Correios informou que a empresa continua “dialogando com as representações sindicais sobre ações de melhorias nos processos relacionados ao serviço de distribuição externa pelos carteiros”. Ainda segundo os Correios,  o “processo de implantação da Distribuição Domiciliária Alternada - DDA no Centro de Distribuição Domiciliária – CDD Barretos teve início na segunda-feira (10/4). Por meio desse processo, ocorre a redistribuição da carga postal e uma nova divisão das áreas de entrega.  As entregas de correspondências continuarão sendo feitas com regularidade, embora não sejam de forma diária”.