24 de Novembro de 2017 | 03:25:51

20/06/2017 | Polícia / Polícia

Operação Delta Fake apura fraudes contra o Detran e envolve barretenses

Trabalho é coordenado pela Polícia Civil de Bebedouro e abrange várias cidades da região

Operação Delta Fake apura fraudes contra o Detran e envolve barretenses

Viatura da Polícia Civil num dos locais averiguados pela investigação policial em Barretos
Luis Nascimento

Ampliar foto

A Polícia Civil em Bebedouro, através de agentes de sua 1ª Delegacia Distrital, desencadeou uma grande operação em diversas cidades da região, inclusive em Barretos.

O objetivo é desarticular um possível grupo de servidores do Detran SP que, previamente associados à representantes de auto escolas, estariam possibilitando, mediante pagamentos de quantias em dinheiro, a aprovação de alunos em exames para CNH, especialmente em categorias profissionais.

Em Barretos, três funcionários do Detran teriam sido presos e quatro foram conduzidos coercitivamente para prestarem esclarecimentos, entre outros envolvidos. 

Participaram da operação, realizada ontem, aproximadamente 100 agentes da Polícia Civil,  das seccionais  de Bebedouro,  São Joaquim da Barra, Barretos, Sertãozinho, Franca, São Carlos, Araraquara e Ribeirão Preto.

Os agentes deveriam cumprir um total de 54 mandados, entre buscas e apreensões, conduções coercitivas e prisões temporárias que foram expedidas pelo Poder Judiciário de Bebedouro, Guaíra, Colômbia, Barretos, Olímpia, Colina e  Jaborandi.

O caso é acompanhado também pelo Ministério Público.

O Delegado João Osinski Júnior diretor do DEINTER III (Departamento de Polícia Judiciária do Interior)  confirmou que o trabalho de investigação durou mais de seis meses e foi coordenado  delegado Mario Gonçalves do 1º Distrito Policial de Bebedouro.

  “O que eu posso dizer é que de Barretos, sete funcionários do Detran, foram conduzidos, três deles presos temporariamente e quatro para prestar esclarecimentos. Fora isso pessoas que intitulavam despachantes ou que participavam de CFC  das antigas auto escolas, também foram presas e outras foram conduzidas,  e logicamente dentro daquilo que for produzido hoje em declarações, em depoimentos, poderão permanecer presas, ou liberadas, dependendo do  que a autoridade policial que preside o inquérito decidir” disse João Osinski. 

O diretor ressaltou a importância da denúncia para a Polícia Civil, uma vez que graças alguém que denunciou foi iniciado o trabalho de investigação.

“Na verdade a gente sempre bateu nessa tecla e continua dizendo que é importante a população confiar na Polícia Civil. Graças a essa confiança que existe dentro da nossa região, dentro da nossa área, pessoas que se sentiram lesadas porque tiveram que pagar para obter a facilidade, procuraram a polícia e declararam  esses fatos, inclusive dizendo que os examinadores se intitulavam  delegados de polícia, como uma forma de coagir as  pessoas a pagar aquelas quantias  que eram cobradas” concluiu. 

O delegado João Osinski disse que os detidos podem responder pelos crimes de organização criminosa, corrupção, falsidade ideológica e outros que possam  aflorar durante as investigações.

DETRAN

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) informou que sete servidores do órgão foram levados para prestar esclarecimentos, assim como funcionários de autoescolas, durante operação policial na manhã de ontem. 

“O Detran.SP vem colaborando com a investigação criminal e continuará a prestar todo o apoio necessário. O Departamento de Trânsito reitera seu compromisso com o combate a qualquer tipo de irregularidade. No âmbito administrativo, se comprovadas irregularidades, os servidores responderão a processo administrativo e, ao final, poderão ser exonerados; parceiros, como autoescolas, poderão ser descredenciados. Como garante a Constituição, todos terão o direito a ampla defesa”, informou o órgão.

PREFEITURA
A operação foi realizada também no setor de trânsito da prefeitura de Barretos, que divulgou nota sobre a investigação de casos de fraudes na CNH. A prefeitura informou que “não tem conhecimento da investigação que teve como alvo servidores municipais, limitada ao divulgado pela imprensa, mas que vai colaborar com as investigações em tudo que for requisitado pela Justiça e irá apurar administrativamente possível falta disciplinar, garantida a ampla defesa constitucional a todos os envolvidos".