18 de Novembro de 2017 | 19:20:09

12/09/2017 | Especiais / Agronegócio

Estudo atualiza árvores do parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais

Reestimativa de produção nos dois Estados é de 374,06 milhões de caixas na safra 2017/18

Estudo atualiza árvores do parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais

ANÁLISE: Todos os pomares serão pesquisados para obter informações confiáveis sobre a citricultura
Tininho Júnior

Ampliar foto

O Fundecitrus iniciou em 8 de setembro o  trabalho de atualização do inventário de árvores do parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais. Até janeiro de 2018, 31 agentes de pesquisa irão passar por cerca de 350 municípios para fazer um raio-x dos pomares.

Eles irão medir todos os talhões do cinturão citrícola para apurar área, espaçamento e número de árvores produtivas, não produtivas, falhas e mortas. As informações serão balizadas por imagens de satélite coletadas pela Airbus entre maio e julho deste ano, com 1,5 metros de resolução espacial, o que permite uma visão bastante nítida dos talhões e a tomada de medidas precisas para o cálculo das áreas.

O primeiro levantamento do parque citrícola foi realizado em 2014. A atualização é feita a cada três anos. O inventário de árvores foi criado para gerar informações confiáveis sobre a dimensão da citricultura e para conhecer os detalhes da produção de citros do estado de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, a principal região citrícola do Brasil, responsável pela maior produção de suco de laranja do mundo.

SAFRA: A reestimativa da safra de laranja 2017/18 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, divulgada pelo Fundecitrus, aponta uma produção de 374,06 milhões de caixas, de 40,8 kg cada. Esse valor corresponde a um aumento de 2,63% em relação à estimativa inicial, publicada em maio, de 364,47 milhões de caixas.