16 de Julho de 2018 | 13:28:23

07/01/2018 | Especiais / Saúde e Bem Estar

Doação voluntária de sangue e medula ajuda a salvar vidas

Hemonúcleo do Hospital de Amor está aberto para receber doadores

Doação voluntária de sangue e medula ajuda a salvar vidas

HEMONÚCLEO: Elizabeth Faria mostrou que os estoques estão baixos
Fotos: Tininho Júnior

Ampliar foto

A doação voluntária ajuda a salvar vidas. O hemonúcleo do Hospital de Câncer de Barretos, que agora atende por Hospital de Amor, está precisando de doadores de sangue e também recebe doação de medula óssea. A assistente social Elizabeth Campos Faria, que atua no hemonúcleo, informou que a necessidade de sangue é urgente, porque os estoques abastecem, além do Hospital de Câncer, o Hospital Infantojuvenil, Santa Casa de Barretos, Hospital São Jorge, Santa Casa de Guaíra, Hospital de Colômbia, Hospital de Colina e Hospital de Jaborandi.

Outro agravante para a época é o período de férias, o que acaba por diminuir o volume de doação. “Neste período, nosso estoque tende a cair muito. Ficamos em estado de emergência. Durante todo o ano, nosso estoque tem oscilado, e não podemos deixar faltar. Sem esse sangue, pode cancelar cirurgia e procedimentos que podem ser feitos no Hospital de Câncer, no Infantojuvenil e nos hospitais da região”, comentou.

PEDIDO
A assistente social reforçou o pedido para os voluntários colaborarem em uma atitude positiva. “Pedimos para os doadores virem. Não podemos deixar faltar. Chame os familiares, algum amigo, para que possam realizar a doação e nossos estoques possam continuar sendo abastecidos”, disse.

REQUISITOS
Elizabeth explicou sobre as exigências para que a pessoa possa se tornar uma doadora de sangue. “É ter acima de 50 kg, estar em um bom estado de saúde. Com 16 anos pode realizar a doação, desde que venha com o pai ou mãe. A partir dos 18 anos até os 69 anos de idade pode doar, desde que antes dos 61 anos já tenha feito pelo menos uma doação. Pedimos para não comer comida muito gordurosa e frituras antes da doação, que pode dar alguma alteração no exame. Também pedimos para não consumir bebida alcoólica até 12 horas antes da doação. E trazer um documento com foto oficial. É feito um cadastro na hora, é rápido. Pode se alimentar antes da doação, e dormir no mínimo, umas 6 horas antes de realizar a doação e só vir, sem agendamento”, contou.

NECESSIDADE
Segundo a assistente social do hemonúcleo, todos os tipos sanguíneos têm algum tipo de urgência no hospital, mas alguns com maior necessidade neste momento. “Nosso estoque está muito baixo nos tipos O+, O- e A-. Mas precisamos de todos os tipos, qualquer tipo será muito bem-vindo”, continuou.

HORÁRIO
De segunda a sexta-feira, a coleta é feita das 7 horas ao meio-dia, aos sábados e domingo, o funcionamento é das 7 às 11 horas. O horário para a doação de medula é o mesmo. O telefone do hospital é: 3321-6600.

MEDULA ÓSSEA
O biomédico Rafael Formenton Cita, coordenador do Laboratório de Imunogenética – HLA, no Hospital de Amor, confirmou que a doação de medula pode beneficiar um paciente. No último domingo, o Jornal O Diário publicou uma reportagem que mostrou a história da pequena Yasmine, 4 anos, uma paciente que teve a vida salva através da medula óssea de um doador voluntário.

“Há uma responsabilidade muito grande quando a pessoa se cadastra e quer ser doador de medula óssea. No ato do cadastro e doação da amostra sanguínea para que seja feito o exame laboratorial, para pesquisar os genes relacionados à compatibilidade entre as pessoas, paciente e doador, é preenchido um termo, informado dados pessoais. Uma vez feito o cadastro e coletada a amostra, em no máximo 90 dias o doador estará no banco de doadores, o REDOME (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea). E então, estará apto a ser um provável doador, tanto para pacientes do Brasil, enquanto dos internacionais”, contou.

DADOS
Hoje, há 25 milhões de doadores de medula óssea no mundo. No Brasil, são pouco mais de 4,5 milhões. A amostra de sangue, com cerca de 10 ml, fica neste banco internacional, e quando é feito o processo de compatibilidade, muitas vezes o doador não é encontrado. “Já tivemos casos aqui, que o doador veio até aqui, o médico foi ao centro cirúrgico para fazer a coleta, e o doador disse que não queria mais”, contou. “E muitas vezes, a pessoa que vem fazer o cadastro, acredita que aquela amostra sanguínea será suficiente para ajudar outra pessoa. Vai ajudar indiretamente, enviando informação genética que será obtida no laboratório. Mas aquela amostra é somente para o cadastro. Não é aquilo que vai diretamente para ajudar no tratamento da doença”, continuou. 

ATUALIZAÇÃO
Rafael explicou que é muito importante o doador manter o cadastro atualizado junto ao REDOME. “Para os doadores, as pessoas que já estão cadastradas, entrem em contato conosco no hemonúcleo para atualizar os dados cadastrais. Se a pessoa mudou de casa, telefone, ou de município. Ou também pelo site: redome.inca.gov.br, no canto superior direito. É apenas atualizar que as informações vão direto para o banco de dados”, contou.

REQUISITO
O coordenador do Laboratório de Imunogenética – HLA, no Hospital de Amor, destacou as exigências para uma pessoa ser voluntária. “Precisa estar em bom estado de saúde, não ter nenhuma doença que possa ter transmitida pelo sangue, não ter câncer, ter entre 18 e 55 anos e estar disposto a ser um doador”, disse.

ATUAÇÃO: Rafael Formenton Cita é coordenador do Laboratório de Imunogenética – HLA, no Hospital de Amor