23 de Outubro de 2018 | 01:22:36

13/01/2018 | Polícia / Polícia

Capitão diz que PM intensificará ações de combate ao furto na área central

Comandante da 1ª Companhia alerta que criminosos especializados normalmente têm informações privilegiadas

Capitão diz que PM intensificará ações de combate ao furto na área central

CAPITÃO: Paulo César Frugeri é comandante da 1ª Companhia de Polícia Militar em Barretos
Jânio Munhoz

Ampliar foto

O capitão Paulo César Frugeri, responsável pela 1ª Companhia de Polícia Militar em Barretos, confirmou que as ações de combate a furtos em estabelecimentos na área central serão intensificadas. Segundo ele, criminosos que agem desta forma, normalmente, sabem que há grande quantidade de dinheiro ou produtos de maior valor no local.

“Vamos intensificar, principalmente, no período noturno, na madrugada, o policiamento neste local específico. Acreditamos que com essa intensificação específica neste horário na área central, no calçadão, a gente vai conseguir inibir esta prática. Mas, mesmo assim, é importante que todos tomem cuidado”, destacou o capitão PM. “A Polícia Militar vai trabalhar especificamente esta questão da área central, que se tornou um problema pontual, não tínhamos este problema há algumas semanas", acrescentou.

ATENÇÃO
Paulo César Frugeri alertou que, apesar dos casos na área central estarem em evidência, outras áreas da cidade também sofrem com os furtos. Ele citou alguns cuidados que tanto proprietários de estabelecimentos, quanto cidadãos comuns podem tomar para evitar o furto.

Frugeri disse que é importante preservar a informação de que há dinheiro ou objetos de valor. “É um furto mais especializado, vemos que os marginais que estão fazendo esta prática têm um certo conhecimento, não entram em um local que não saibam que lá exista uma quantia em dinheiro específica. A primeira coisa é o conhecimento, eles têm a informação por parte de funcionário, ex-funcionário que sabe a rotina da empresa, que ocorre muito, tem uma informação privilegiada sobre este objeto de valor que existe no local. É importante, tanto o cidadão em sua residência, como também proprietários de estabelecimentos evitar manter grandes quantias em dinheiro. Tentar guardar em locais mais seguros, principalmente em bancos”, analisou.

Segundo o capitão PM, existe uma quadrilha em ação na cidade. Nesta semana, um integrante que realizava furtos em caixas eletrônicos e bancos foi preso. Ele acredita que outros marginais, diferente deste último, não têm mandados de prisão em aberto, o que impossibilita a prisão neste momento.

LEGISLAÇÃO
O capitão Frugeri citou que a legislação para o crime de furto é branda em relação a outros tipos de crime. Entre os fatores que não intimidam o ladrão, está o fato de o crime ser afiançável, além de causar pouco tempo de reclusão.

“Sabemos que já foram presos em flagrante pelo crime de furto integrantes desta quadrilha, mas também pela brandeza da legislação com relação a furtos, a substração de bens sem o uso de violência, é branda a legislação quanto a isso. É normal a gente prender em flagrante e a Justiça, por força da lei, não consegue manter presos estes autores. Temos quadrilhas residentes em Barretos que não possuem mandados de prisão expedidos e estão livres para agirem em Barretos e cidades da região. Temos que tentar prendê-los em flagrante para conseguir retirá-los. Que a população saiba que esta retirada deles da sociedade é breve. É um crime cuja pena é muito branda. Hoje, ela foi afetada com uma alteração no processo penal brasileiro em que os crimes de até quatro anos passaram a ser afiançáveis. Mesmo que os integrantes da quadrilha sejam presos, como já aconteceu, eles podem sair soltos no mesmo dia, apenas pagando uma fiança”, contou.

Além das questões citadas por Frugeri, novas legislações permitiram a progressão da pena (regime fechado para o semiaberto e depois aberto) e que os criminosos fossem colocados nas ruas com mais antecedência. “Alguns deles não ficam nem um dia preso”, continuou Frugeri.

Entre as dificuldades lembradas pelo capitão, está o envolvimento de adolescentes na prática dos furtos. Mesmo que apreendidos pela polícia, eles não permanecem presos em crimes como o furto, que não há uso da violência. “A questão dos adolescentes é um problema mais antigo, não existe alteração atual. O adolescente infrator na prática do crime de furto não fica preso de forma alguma. O delegado de polícia não tem autoridade para prendê-lo somente pelo furto. Precisa ter violência contra a pessoa para que ele possa ser apreendido de imediato”, finalizou o capitão PM.