25 de Maio de 2018 | 23:37:11

13/02/2018 | Especiais / Agronegócio

Barretos contribui para aumento de produção da cana no Estado

Estudo do Instituto de Economia Agrícola coleta dados nos municípios paulistas

Barretos contribui para aumento de produção da cana no Estado

RESULTADO: Levantamento da safra 2016/2017 para a cultura da cana-de-açúcar apontam pequeno aumento na área
Divulgação

Ampliar foto

O município de Bar­retos está incluído na área de 55,5% da pro­dução total de cana de açúcar no Estado de São Paulo. Segundo o Instituto de Economia Agrícola, esse volu­me está concentrado em apenas 10 regiões do Estado que abran­gem: Barretos, Orlân­dia, Ribeirão Preto, Araraquara, São José do Rio Preto, Jabo­ticabal, Presidente Prudente, Andradina, Jaú e Catanduva. Os resultados finais da safra 2016/2017 para a cultura da cana­-de-açúcar apontam pequeno aumento na área: nova (0,8%) e para corte (0,6%), e na produção (2,6%), com volume de 450,1 milhões de toneladas, apontando um incre­mento de 2% em re­lação à safra passada. Os dados foram cole­tados no final de 2017 nos 645 municípios paulistas.

LARANJA: A esti­mativa final para a cultura da laranja re­gistrou produção de 324,5 milhões de cai­xas de 40,8 kg (13.241 mil toneladas), mon­tante 24,6% maior que a quantidade obti­da em 2016. O estudo mostra que 79,5% des­te volume tem como finalidade atender a indústria e os 20,5% restantes destinam-se ao mercado de laranja para mesa. Quanto à área plantada (que in­clui área com plantas ainda não produtivas), o levantamento indica aumento de 1% em re­lação ao ano anterior. Na atual safra, regis­tra-se discreto cres­cimento tanto na área nova quanto na área em produção, embora ainda esteja em anda­mento o processo de erradicação de plantas em pomares compro­metidos por problemas fitopatológicos, prin­cipalmente cancro cí­trico e greening.

GRÃOS: Barretos também ampliou o plantio de amendoim que no total do Estado, apresentou aumento de 3,1% na área de cul­tivo. Para a produção, as estimativas indi­cam alta de 5,7%, re­sultado dos ganhos em produtividade de 2,6%, especialmente, nas re­giões de Tupã e Catan­duva.