18 de Agosto de 2018 | 15:36:26

17/05/2018 | Cidade / Diocese

Uma força para a cidadania plena

Todo cidadão barretense tem direito a informação

Todo cidadão barretense tem direito a informação. Os esforços para garantir dados dos serviços ao consumidor, a transparência da gestão pública e a defesa do bem comum são objetivos, inquestionáveis e irrevogáveis.

Quando o barretense tiver algum problema com a distribuidora de energia elétrica, por exemplo, deve reclamar diretamente à distribuidora. Ao registrar a reclamação, a distribuidora deverá fornecer número de protocolo. O número deve ser guardado. Caso o problema não seja solucionado, o consumidor deverá entrar em contato com a ouvidoria da distribuidora e informar o número de protocolo da reclamação. Ao reclamar na ouvidoria, outro número de protocolo deverá ser fornecido. É importante guardar esse número também.  Por mais burocrático que possa ser, é procedimento correto e seguro. Se ainda assim o problema não tiver sido resolvido, a reclamação deve ser feita a Aneel. Através de ligação ou do site da Agência Nacional de Energia Elétrica.

Atualmente, a instabilidade da rede de energia provoca aumento do preço de seguro de imóveis em virtude de ocorrências de danos elétricos. Além de um custo adicional, há um prejuízo efetivo de aparelhos domésticos, eletrônicos e de lazer.

A tarefa de informar o cidadão é imperativo. Mas a iniciativa de agir, de reclamar, de requerer seus direitos, exige sair da zona de conforto, de indiferença, acha que não tem jeito, o país é assim mesmo. O caso barretense é ainda mais tenso, porque há um entrave econômico envolvendo a concessionária e o executivo, gerando disputa jurídica, atrasos de pagamentos, ameaças de cortes de fornecimento e pressão externa. A instabilidade da rede de energia é mais que um problema de falta de força, refletindo tempos de falta de luz, de respeito e dignidade humana.