18 de Julho de 2018 | 00:17:16

13/07/2018 | Esporte / Futebol

Croata em Barretos está otimista para título da Copa

Boian elogia a garra e a luta da seleção que chega pela 1ª vez à final

Croata em Barretos está otimista para título da Copa

FUTEBOL: Boian Petrov concentra toda a torcida para título inédito da Croácia
Tininho Junior

Ampliar foto

O croata Boian Petrov, 67, está otimista para a final da Copa do Mundo contra a França no domingo, às 12 horas, em Moscou. Engenheiro no Hospital de Amor há quase 30 anos, ele lamentou a eliminação do Brasil para a Bélgica nas quartas de final, mas agora concentra todas as energias para o país onde nasceu. "Acho que a decisão vai para a prorrogação. E tenho esperança que a Croácia ganhe na prorrogação de 1 a 0 ou então nos pênaltis.

Tem que ganhar de qualquer jeito", analisou Boian Petrov, que elogiou os principais aspectos da seleção croata. "A garra e vontade de ganhar. No primeiro tempo, os jogadores estavam se arrastando pelo campo, no segundo tempo os jogadores estavam caindo pelos lados. Depois que empataram, viraram um leão. É a garra e luta de um povo que tem mais de 2 mil anos", complementou. Segundo o engenheiro, a chegada da Croácia a uma final de Copa do Mundo demonstra a evolução de seleções menos tradicionais.

"O futebol mudou. As novas seleções não ficaram paradas e aprenderam com as antigas. Os times não têm grandes estrelas, mas os caras são aplicadíssimos. Não é sorte, aquilo é treinamento. Os caras têm posicionamento tático, um croata disse um dia 'quanto mais eu treino, melhor eu jogo'", disse.

Boian Petrov nasceu em Zagreb, capital do país, filho de pai búlgaro e mãe croata, que se conheceram na Croácia durante a faculdade. Descontentes com o regime totalitário que o país vivia em 1951, os pais e Boian deixaram a Croácia e fugiram para a Itália. Após não conseguirem ir para os Estados Unidos, eles vieram para o Brasil e se instalaram no Paraná, onde viveram por oito anos, passando por Ponta Grossa, e Curitiba, antes de São Paulo. Com a esposa Célia, o engenheiro veio para Barretos em 1981, atuando na cidade desde então.