18 de Novembro de 2018 | 06:51:17

15/09/2018 | Opinião / Editorial

Gol anulado e eleição em campo

Em particular, o uso das redes sociais tem gerado mais desconforto que segurança

Eu aprendi que a alegria, de quem está apaixonado, é como a falsa euforia, de um gol anulado, diz a composição de João Bosco. A metáfora serve  para o prejuízo sofrido pelo Palmeiras no minuto final contra o Cruzeiro, na derrota de 1 a 0 na Copa do Brasil.

Entretanto, a falsa euforia da canção revela ainda os índices atuais das pesquisas eleitorais. Os números de agora não definem exatamente o retrato final de 7 de outubro. Isto significa que a "campanha eleitoral" - tanto em Barretos como em todo o país - entrou agora em seu processo de deliberação do eleitor.

Em particular, o uso das redes sociais tem gerado mais desconforto que segurança, mais tensão que solução, mais pressão que esclarecimento. Porque as mensagens com "análises especializadas" de ilustres desconhecidos, fotos adulteradas e fake news tornam a "campanha" um debate radical, com "achismos e conclusões" sem senso e ética.

Com gol anulado - especialmente com erro evidente da arbitragem - gera um apito final na alegria do torcedor apaixonado. A tarefa de entender o jogo político promove no cidadão um despertar de consciência e discernimento.

O barretense tem oportunidade de fazer seu voto útil também ser inteligente, sua escolha ser norteadora e igualmente democrática, descartando "o estouro da boiada" para ser fonte de esperança. Gol validado e comemorado, com verdadeira alegria.