11 de Dezembro de 2018 | 18:27:38

14/10/2018 | Especiais / Saúde e Bem Estar

Educadora física destaca combate à obesidade para prevenção de doenças

Dia mundial alerta sobre atividade física para melhorar qualidade de vida

Educadora física destaca combate à obesidade para prevenção de doenças

ATIVIDADE: Professora Priscilla Nogueira Benedetti atua no curso de educação física do Unifeb
Tininho Júnior

Ampliar foto

A educadora físi­ca Priscilla Noguei­ra Benedetti alertou para a importância de combater a obesidade. Professora do Unifeb do curso de Educação Física, ela afirma que evitar o sedentarismo e os quilos a mais são fundamentais para evi­tar doenças e ganhar maior qualidade de vida. Em 11 de outu­bro, foi comemorado o Dia Mundial de Com­bate à Obesidade.

O Diário: Em linhas gerais, como pode ser definida a obesidade?

Priscilla: A obesidade é uma doença crônica. É o acúmulo de gordu­ra que o corpo tem e não consegue gastar. A gordura fica acumula­da e acarreta várias do­enças, como colesterol e triglicérides alto. A pessoa tem que gastar essa energia, a gordura que está em excesso.

O Diário: Qual a im­portância da atividade física para evitar a obe­sidade?

Priscilla: A atividade física nesse processo é essencial. A partir de quando a pessoa pas­sar a ter hábitos saudá­veis e tem uma rotina de exercícios, ela gasta essa energia que está acumulada em excesso.

O Diário: Do pon­to de vista físico, qual primeiro passo a ser adotado pelo obeso?

Priscilla: O primeiro passo é ir ao médico. Ela tem que ter o diag­nóstico de que grau de obesidade está, ou se é apenas um sobrepe­so ou obesidade mes­mo. A pessoa vai saber se tem outras doenças que acarretaram isso. A partir desse diagnós­tico, ela deve procurar um nutricionista para estabelecer uma dieta e seguir uma rotina de alimentação saudável, colocando sua rotina em dia. E depois disso procurar a atividade física, que é essencial para conseguir perder esses quilos a mais.

O Diário: Qual ativi­dade física é mais reco­mendada para a pessoa obesa?

Priscilla: As ativi­dades aeróbias aju­dam muito, a partir de quando a pessoa faz uma caminhada, uma atividade que vai gastar muitas calorias. Tem que ser devagar, pois quando a pessoa está nesse grau, tem várias limitações. É difícil co­meçar qualquer ativi­dade. Indicamos uma caminhada e depois ir aumentando gradati­vamente. Recomenda­mos algo que a pessoa goste, principalmente. As pessoas que acabam ficando nesse estado são pessoas que não gostam muito de ativi­dade física. Tenho uma academia feminina em Barretos e lá temos vá­rios casos. As meninas dizem: professora, não gosto de musculação, ou que não gosta de fi­car na esteira. Muitas vezes, a pessoa deixa de fazer a atividade, de gastar essa caloria em excesso, porque não gosta das ativida­des que procura. Há as aulas coletivas, como jump, step, aulas de spinning, que são de bike. Elas são as mais procuradas, queimam muita caloria e traba­lham o social também. E quando começam a perder peso, se ani­mam cada vez mais.

O Diário: A obesida­de infantil também é uma preocupação?

Priscilla: É muito pre­ocupante. A obesidade infantil é uma reali­dade. Aquela história de “a criança gordi­nha para estar saudável tem que ter as dobri­nhas”, não existe mais. É importante manter uma rotina saudável. Fazer com que a crian­ça cresça com hábitos saudáveis, com alimen­tos saudáveis. Ingestão de refrigerantes, entre outras coisas, acabam levando a criança para hábitos não saudáveis. Depois fica difícil ti­rar, porque ela acos­tuma. Serve também para batata frita, sal­gadinhos, coisas que trazem aquela gordura que a gente não preci­sa. A gente que gosta e acaba induzindo a criança a comer aqui­lo. Hoje em dia, existe uma porcentagem mui­to alta de crianças com obesidade e fica difícil reverter. Tem que mu­dar mais a mentalidade dos pais, para depois a criança ter novos hábi­tos.

O Diário: Quais os principais benefícios do exercício físico para a pessoa deixar de ser obesa?

Priscilla: A partir do momento em que a pessoa começa a pra­ticar, ela se sente me­lhor. Vai conseguir ca­minhar melhor, fazer as atividades diárias, de rotina, com mais facilidade, com mais destreza e ter um sono melhor. Os relatos que tenho na academia são de pessoas que conse­guem dormir mais, re­alizar as atividades do dia a dia com mais faci­lidade, com o intestino melhor e que têm a au­toestima melhorada. A obesidade é o ápice da falta de preocupação com a saúde. A pessoa tem que colocar metas e focos para conseguir fazer com que sua vida melhore cada dia mais.

O Diário: Qual o seu recado para quem de­seja praticar atividade física?

Priscilla: Sempre falo para minhas alunas que não deixem de prati­car. Quanto mais você deixa de fazer, menos vontade você tem. Se não deu para ir nesta semana na academia, faça uma caminhada. Vejo muito pessoas que não vão em uma semana, na próxima acabam não indo. Se não foi em duas se­manas, no resto do mês a pessoa não vai. Acontece que a pessoa acomoda. Obstáculos sempre vão existir, um problema aqui e outro ali. Temos que conseguir desvenci­lhar disso e colocar o exercício para existir em pelo menos meia hora de seu dia. Não é difícil. Serve até para atividades diárias, ao invés de ir de carro, ir a pé a algum lu­gar perto, para que se conscientize que aqui­lo vai te fazer melho­rar. Comecem a tra­tar a atividade física como uma prioridade em suas vidas. Quan­do você põe o exercí­cio como prioridade, verá a diferença da atividade em sua vida. Correr atrás do preju­ízo é mais difícil.