18 de Novembro de 2018 | 06:39:53

06/11/2018 | Especiais / Agronegócio

Diretor da Defesa Agropecuária alerta para vacinação contra aftosa

Estado de São Paulo está há 22 anos livre de focos da doença

Diretor da Defesa Agropecuária alerta para vacinação contra aftosa

REBANHO: Paulo Brito informou que 20 mil animais devem ser vacinados em Barretos
Tininho Junior

Ampliar foto

O agrônomo Pau­lo Brito informou que a segunda etapa da campanha de va­cinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa é volta­da para animais de 0 a 24 meses. “Todos os animais nesta fai­xa etária devem ser vacinados, inclusive os que já foram imu­nizados na etapa de maio. É uma dose de reforço”, explicou o diretor do Escritório de Defesa Agropecuá­ria de Barretos. Pau­lo Brito lembrou que o estado de São Paulo está há 22 anos sem focos da doença, mas ressaltou a impor­tância da campanha.

“A vacinação garante uma carne de melhor qualidade para con­sumo e também que o mercado externo per­maneça aberto para as exportações do Brasil”, contou, lem­brando a importân­cia de Barretos neste contexto, devido aos frigoríficos que ge­ram empregos no mu­nicípio. O agrônomo afirmou que somente em Barretos são cer­ca de 20 mil animais que devem ser vaci­nados e 80 mil nos 18 municípios abrangi­dos pela regional da Defesa Agropecuária. O prazo para vacina­ção continua até 30 de novembro e o pro­dutor deve comunicar a vacinação ao órgão até o dia 7 de dezem­bro.

CUIDADOS: A Coordenadoria de Defesa Agropecuária orienta criadores a tomarem cuidados es­senciais tanto com o produto a ser aplicado quanto com o reba­nho. A primeira pro­vidência é adquirir as vacinas em estabele­cimentos cadastrados na Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), que são fisca­lizados por equipe de médicos veterinários, técnicos de apoio agropecuário e outros profissionais que ve­rificam as condições de armazenamen­to do produto. A le­gislação proíbe o uso de vacinas congela­das ou adquiridas em etapas de vacinações anteriores. O produto deve ser mantido en­tre 2 e 8 graus, tanto no transporte como no armazenamento. Na hora da aplicação, é preciso usar seringas e agulhas novas e hi­gienizadas, sem o uso de produtos químicos. Não vacinar ou não comunicar a vacinação à Defesa Agropecuária até a data estabelecida é passível de sanções: 5 Ufesps (R$ 128,70) por cabeça que deixar de vacinar e 3 Ufesps (R$ 77,10) por cabeça que a vacinação não for comunicada. O valor de Ufesp é R$ 25,70.