18 de Novembro de 2018 | 06:22:31

07/11/2018 | Especiais / Empregos e Oportunidades

Professor do Unifeb destaca potencial do setor de robótica

Centro universitário oferece curso voltado para alunos de todos os segmentos

Professor do Unifeb destaca potencial do setor de robótica

OPORTUNIDADE: Geraldo Domingues Alves Gonçalves mostra o polo robótico do Unifeb
Tininho Junior

Ampliar foto

O professor Geraldo Domingues Alves Gonçalves, do curso de robótica do Unifeb, afirmou que o setor tem potencial para crescer em todo o país. Ele informou que o polo robótico do centro universitário capacita o aluno para os desafios que o mercado de trabalho propõe. Aberto para todos os interessados, estudantes do Unifeb e de qualquer outra instituição, o curso tem a maioria de seus alunos voltada para a engenharia. “No curso de robótica, a gente tem uma interação com o mercado de trabalho mais próximo possível do real. A gente faz a aplicação do robô, na programação desde básico até o avançado. O pessoal que está no nível intermediário já é capaz de atuar no mercado de trabalho. São pessoas que conseguem desenvolver trabalhos reais lá fora”, disse o professor. Segundo ele, os alunos do curso irão em dezembro para São José dos Campos para aprimorarem seus conhecimentos na área de manutenção. “É capacitar os alunos para dar manutenção no robô, fazê-lo comunicar-se com outras máquinas. É uma programação mais avançada”, complementou.

ATUAÇÃO PRÁTICA
Segundo o professor do Unifeb, em Barretos já é possível sentir a necessidade de profissionais especializados em robótica. “O nosso foco é mais voltado para as indústrias. Tínhamos até estes dias um exemplo numa empresa em Barretos, onde tem um aluno nosso que trabalha no setor de produção. E lá tem um robô trabalhando. Nestes dias, o robô de lá deu um problema, que não estavam dando conta de resolver. Tiveram que chamar uma empresa do estado de São Paulo, demorou a resolver. Isso mostra que a gente ainda está fraco no mercado. Não temos profissionais capacitados. Por isso, é uma grande profissão para o futuro. Para que a gente possa inserir novos profissionais que sejam capacitados e formados em engenharia”, disse.

CURSO
O professor Geraldo Gonçalves informou que o curso tem o mínimo e o máximo de 20 alunos por turma. Estão disponíveis dois robôs para as aulas práticas, um ativado e outro desativado para as aulas te manutenção. “Hoje, temos disponíveis todos os dias da semana, nas partes da tarde e noite”, explicou.

SITUAÇÃO
O docente do Unifeb disse que o país tem potencial para crescer no ramo da robótica. Ele fez uma comparação com outras economias, que são desenvolvidas e têm a aplicação de robôs em suas indústrias. “A Coreia do Sul 631 robôs a cada 10 mil trabalhadores. O Brasil tem só 10 robôs a cada 10 mil trabalhadores industriais, no 39º lugar. Muitas pessoas têm receio de a robótica tirar o lugar alguns empregos. Ela não tira emprego, ela agrega emprego. A robótica vai tirar alguns serviços forçados, em que o pessoal trabalha com a coluna e esforço de articulação maior. Hoje em dia, o Brasil é recordista em processos trabalhistas contra os empresários, nos casos de serviços insalubres. E o crescimento do Brasil depende da robótica”, disse Geraldo.