19 de Dezembro de 2018 | 07:52:59

19 de Dezembro de 2018 | 07:52:59

08/12/2018 | Opinião / Editorial

O amor em forma de canção

Chitãozinho e Xororó cantam em Barretos neste sábado

Apresentação de Chitãozinho e Xororó em Barretos no dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição tem o tom do sertão, em sua cor mais bonita e vibrante. A mais famosa dupla sertaneja do país tem forte laços com a capital nacional do rodeio. Ora participando da festa de Os Independentes. Ora fazendo capa de CD no rancho Guadalupe. Ora prestigiando a Fundação Pio XII.

Em todos os motivos, independente da razão e da duração, há brilho no som, alegria no ar, no testemunho de esperança.

A dupla  sertaneja formada pelos irmãos José Lima Sobrinho, nascido em  5 de maio de 1954, e Durval de Lima, em  30 de setembro de 1957, tem carismas e virtudes. Chitãozinho e Xororó são recordistas em vendas de discos no Brasil, com mais de 37 milhões de álbuns e ganharam quatro prêmios Grammy Latino.

As modas passam e os estilos trocaram de tendências. Muitas vezes, o sucesso é passageiro e relativo. Chitãozinho e Xororó estão sempre presentes, renovando e sensibilizando, atendendo a alma brasileira. Parecem eternos. A região confirma a admiração pelos irmãos, não deixando que a “vida marvada” transforme o coração cativante, generoso e fraterno em dogma de conduta. A homenagem feita a Tom Jobim exaltou que a obra de Chitãozinho e Xororó está na história da MPB com o selo de qualidade, eficiência e maturidade. São bons de voz, de coração e de alma.

Hoje, o show com renda para a Santa Casa e o Hospital do Amor é um retrato que a arte a serviço da alegria é “bonito de se ver”.