21 de Julho de 2019 | 18:45:41

21 de Julho de 2019 | 18:45:41

14/03/2019 | Cidade / Cidade

Escolas ampliam medidas de segurança após massacre em Suzano

Dirigente de ensino diz que unidades devem redobrar os cuidados

Escolas ampliam medidas de segurança após massacre em Suzano

Solange Bellini é dirigente regional de ensino em Barretos
Tininho Junior

Ampliar foto

As escolas da regional de Barretos são orientadas a tomarem todos os cuidados necessários para preservar a integridade dos alunos. A colocação é da dirigente de ensino Solange Bellini, ao comentar a tragédia na escola estadual de Suzano. “Contamos na maioria das unidades com monitoramento por câmeras nos ambientes de circulação dos alunos: pátios, corredores e até mesmo salas de aula. Os portões de entrada há muito tempo são trancados à chaves e ou travas o que muito nos entristece, pois uma escola não pode ser comparada a uma prisão educacional”, afirmou.

De acordo com Solange, essas medidas são adotadas frequentemente. “A cada episódio violento como este os gestores são orientados a redobrarem os cuidados com a segurança e presença de pessoas estranhas ao ambiente escolar. Outras medidas adotadas são a reflexão e rodas de conversas com os jovens sobre os temas e problemas da adolescência e a vigilância sistemática no comportamento social dos alunos para orientações, encaminhamentos e auxilio se necessário”, completou.

De acordo com a dirigente de ensino, há escolas investindo também na adoção de projetos como “Escola de Paz e “Escola de Pais” no sentido de envolver e orientar as famílias na educação de seus filhos. “Acreditamos no papel da escola como propulsor de uma educação para a cidadania plena. Vê- se neste sentido cada vez mais a necessidade de uma reforma para a educação no Ensino Médio e a ampliação das escolas médias de tempo integral, como medidas saneadoras e implementadoras de uma política educacional mais atraente e que faça sentido para o jovem”, afirmou.

Solange explicou que a orientação da secretaria estadual da Educação diante do ocorrido em Suzano é “oportunizar a sensibilização e acolhimento dos alunos para debater o tema com as informações e explicações oficiais e dar atenção necessária para esse sentimento coletivo de consternação e tristeza”.

SECRETÁRIO
O secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, declarou-se “absolutamente chocado” com o assassinato de cinco adolescentes e duas funcionárias da escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano. Um comerciante também foi vítima fatal e outros estudantes ficaram feridos. Os dois assassinos, ambos ex-alunos da escola, se suicidaram após o massacre.

“Toda a comunidade escolar de São Paulo e do Brasil está de luto. Este foi um atentado à educação brasileira e a todos os cidadãos, que diariamente, no interior de cada escola, trabalham por um Brasil desenvolvido. São 240 mil professores e servidores que recebem 3,5 milhões de alunos nas 5,4 mil escolas, todos dedicados ao bem mais precioso do Brasil: nossas crianças e jovens”, continuou. “Manifestando nosso mais profundo pesar e respeito aos alunos, servidores e familiares, afirmamos que São Paulo não vai deixar o terror vencer a educação”, finalizou o secretário Rossieli Soares.

O governador João Doria decretou luto oficial por 3 dias.