26 de Maio de 2019 | 02:26:19

26 de Maio de 2019 | 02:26:19

26/03/2019 | Especiais / Agronegócio

Produção pecuária de São Paulo apresenta dados sobre 2018

Rebanho bovino de corte cresce 2,6%, enquanto o gado misto e leiteiro oscila negativamente

Produção pecuária de São Paulo apresenta dados sobre 2018

ESTATÍSTICA: De acordo com o levantamento, o número total de bovinos é de 10,4 milhões de cabeças
Divulgação

Ampliar foto

A produção pecuá­ria do Estado de São Paulo não apresentou grandes alterações nos últimos anos, infor­mou a Secretaria de Agricultura e Abaste­cimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Eco­nomia Agrícola (IEA). A área total de pasta­gem apresentou que­da de 2,8%, atingindo 6,7 milhões de hec­tares, provavelmente em função da perda de área para a produ­ção vegetal. Os dados são do segundo levan­tamento das previsões de produção animal, realizado pela Coor­denadoria de Assis­tência Técnica Integral (Cati), entre 1º e 20 de novembro de 2018, e compilados pelo IEA.

De acordo com o le­vantamento, o número total de bovinos é de 10,4 milhões de ca­beças, praticamente o mesmo registrado em 2017, afirmam Carlos Nabil Ghobril e Carlos Roberto Ferreira Bue­no, pesquisadores do IEA. Os dados desa­gregados mostram que o número de bovinos de corte apresentou aumento de 2,6%, to­talizando 6,4 milhões de cabeças; enquanto os bovinos destinados à produção de leite foram reduzidos em 6,6%, resultando em 1,1 milhão de cabeças. A categoria gado mis­to também apresentou queda (-6,2%), atin­gindo 2,8 milhões de cabeças. “Nos últimos anos, o rebanho pau­lista de bovinos vem oscilando na casa dos 10 milhões de cabeças. Contudo, a demanda do setor de beneficia­mento (laticínios e fri­goríficos) e o volume oferecido pelos pro­dutores têm apresen­tado dificuldades de se ajustar. A queda no número de animais da categoria misto, sem a especialização no ga­nho de peso ou na pro­dução de leite, parece refletir a dificuldade de lidar com margens de retorno menores; da mesma forma, o segmento leiteiro tam­bém reduziu seu plan­tel. Os custos fixos e variáveis crescentes e a concorrência com o leite importado de outros estados são os principais obstáculos à permanência na ati­vidade dos pequenos e médios produtores”, afirmam os pesquisa­dores.

PLANTEL EM NÚ­MEROS

Em 2018, foi esti­mado que 3,7 milhões de cabeças estavam prontas para o abate, representando poten­cialmente uma oferta de 945,5 mil tonela­das de carne bovina, praticamente o mes­mo estimado em 2017. No mesmo período, a produção leiteira foi de aproximadamente 1,7 bilhão de litros, aumento de 7% em re­lação ao ano anterior. “O produtor de leite paulista está mais es­pecializado e conse­guiu aumentar o ren­dimento de litros por animal por meio da melhoria dos índices de produtividade liga­dos à genética, nutri­ção animal e também pela melhor gestão da atividade”, explicam Nabil e Bueno.

A produção de aves para postura está es­timada em cerca 51,9 milhões de cabeças e a produção de ovos to­talizou 1,2 bilhão de dúzias, volume 8,8% maior que o apresenta­do em 2017; enquanto as aves para corte to­talizaram 591 milhões de cabeças, equivalen­do a uma oferta de 1,3 milhão de toneladas de frango, em peso vivo, que representa um de­créscimo de 11,1% so­bre o volume do ano anterior. A previsão do efetivo de suínos é da ordem de 894,2 mil cabeças. Os animais previstos para o abate totalizaram 1,3 milhão de cabeças, resultando em produção de 103,9 mil toneladas de car­ne, aumento da ordem de 8,4 %, recuperando a queda na produção de carne suína verifi­cada em 2017. “A cres­cente necessidade de melhora nos índices de produção e econômicos para cada cadeia (bovi­nos, aves e suínos) pode estar retirando da base de produção unidades produtivas que não con­seguem acompanhar as exigências de cada segmento. A produção de outros estados que complementa a deman­da paulista é outro fator que pode atuar de forma indireta na estabilidade dos números da pecu­ária paulista, aliada a uma demanda altamen­te dependente da renda em se tratando do com­plexo de proteínas ani­mais”, concluem os pes­quisadores. (Secretaria Agricultura/SP)