17 de Agosto de 2019 | 08:32:42

17 de Agosto de 2019 | 08:32:42

23/05/2019 | Polícia / Polícia

Polícia Civil prende três durante Operação Pedras de Fel em Barretos

Ação policial é sequência de uma investigação que apura uma tentativa de latrocínio

Polícia Civil prende três durante Operação Pedras de Fel em Barretos

A operação culminou com a prisão de três pessoas e apreensão de armas, droga e documentos
Tininho Júnior

Ampliar foto

A Polícia Civil  desencadeou  no inicio da manhã de quarta-feira (22),  em Barretos, a Operação Pedras de Fel.

O trabalho coordenado pelo delegado Rafael Faria Domingos foi realizado pelas equipes da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), e cumpriu cinco mandados de busca e apreensão, sendo três deles em imóveis de possíveis receptadores e um mandado de prisão preventiva,  e culminou com a prisão de três pessoas, apreensão de armas, entorpecentes e documentos.

A ação teve como objetivo dar continuidade a investigação que apura uma tentativa de latrocínio, que ocorreu no dia 26 de fevereiro deste ano em um escritório em Barretos  que ao final foram roubados  18 quilos de pedras de fel, conhecida como “pedras de boi”,  de alto valor comercial.

Naquela ocasião, criminosos armados invadiram o escritório roubaram as “pedras de boi” e chegaram atirar contras as vítimas, que por sorte não foram atingidas.

No decorrer das investigações foi possível identificar o veículo utilizado pelos autores do  crime e seu proprietário, e a partir daí chegou-se a identificação de dois dos assaltantes.

O delegado Rafael  Faria Domingos representou e conseguiu junto ao Judiciário a expedição de mandados de busca e apreensão nos imóveis dos criminosos  e da namorada de um deles.

Os policiais  no dia 25 de março detiveram  um  suspeito de 21 anos, e recuperaram R$ 200 mil,  que seria parte do dinheiro  obtido com a venda das pedras roubadas e mais R$ 36 mil proveitos de crimes praticados por ele  e seus comparsas. 

O detido havia depositado os R$ 200 mil na conta da namorada, que foram bloqueados pela Justiça e o restante R$ 36 mil os  investigadores encontraram  na casa dela. 

  A continuidade das investigações, apurou  que a namorada do assaltante estava atrapalhando o trabalho policial, motivo pelo qual se representou  pela prisão preventiva, que acabou sendo cumprida na manhã de  ontem (quarta – feira). 

Durante a prisão da mulher, os policiais também detiveram o irmão dela pelo crime de tráfico de entorpecente, após encontrarem com ele uma pequena quantidade de maconha, balança de precisão e material utilizado para embalar a droga.

O terceiro a ser detido, foi  o indivíduo que teria emprestado a arma para a prática do crime.

O revólver de calibre 22 foi encontrado em poder dele, e ele acabou autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e participação no roubo.

As equipes ainda encontraram outras duas armas, sendo um revólver de calibre 36  e uma pistola de pressão, e alguns documentos  na casa de um dos possíveis receptadores, que não foi localizado.


O dr.  Rafael Faria Domingos confirmou que a Justiça decretou a prisão preventiva, do assaltante que já estava preso, da namorada dele e do comparsa que ainda continua foragido.

“ No total foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva em relação à namorada do roubador.  Em relação ao roubador também foi decretada a prisão preventiva dele, ele estava na temporária e agora continua preso na preventiva. O foragido também está com mandado de prisão preventiva. E registramos os dois flagrantes por posse de arma de fogo e por tráfico de drogas”, disse. 


O delegado afirma que apesar dos 18 kg de “pedras de boi” não terem sido encontrados, a polícia conseguiu recuperar  parte do dinheiro proveito do crime e deverá solicitar o bloqueio junto a Justiça  de alguns veículos dos indiciados para que de alguma forma ressarcir o prejuízo das vítimas.

“ Na época foram roubados 18 kg de pedras de boi, o que faz com esse roubo seja de porte milionário, pois essas pedras tem um alto valor comercial. Apesar do material não ter sido recuperado, mas parte do dinheiro proveito do crime acabou sendo recuperados  pelo menos esses R$ 236 mil. Nós solicitamos o bloqueio de alguns veículos, para de alguma forma tentar  com autorização judicial, ressarcir parte do prejuízo das vítimas”,  concluiu o delegado Rafael Faria Domingos.