21 de Outubro de 2019 | 07:09:13

21 de Outubro de 2019 | 07:09:13

11/07/2019 | Política / Política

Deputado e presidente de Os Independentes destacam regulamentação do rodeio

Projeto de lei é aprovado na Câmara Federal com 402 votos dos deputados

Deputado e presidente de Os Independentes destacam regulamentação do rodeio

DECISÃO: Emenda aprovada pelos deputados reconhece rodeio, vaquejada e laço como expressões esportivo-culturais
G1

Ampliar foto

O deputado federal Geninho Zuliani (DEM-SP) destacou a importância da aprovação do texto-base do projeto de lei que regulamenta as práticas da vaquejada, do rodeio e do laço no Brasil (PL 8240/17). “A minha região que é o interior de São Paulo , que é o noroeste do estado, tem essa cultura como um esporte em que todos apoiam e frequentam. Particularmente convivo com os animais desde criança, convivo com o rodeio, com as provas e garanto a todos que os animais são bem protegidos, bem cuidados e por isso, com minha consciência tranquila, voto favorável à regulamentação da matéria”, afirmou.

No pronunciamento na Câmara Federal lembrou que a Festa do Peão de Barretos será em agosto. “É uma Festa em que o Brasil se reúne e é a maior do mundo. Quero dizer também que a Confederação Nacional de Rodeio está trabalhando muito em cima de um manual de boas práticas animais feito pelo Ministério da Agricultura e agora sendo referendado pela secretaria  de estado da Agricultura de São Paulo, que será uma réplica para todos os estados brasileiros  poderem regulamentar, através de suas secretarias, a boa prática animal”, completou. “Estamos regulamentando uma matéria que discutida, já debatida, que está na Constituição Brasileira e acima de tudo faz parte da cultura do povo brasileiro”, finalizou Geninho.

OS INDEPENDENTES: O presidente de Os Independentes, Ricardo Batista da Rocha, cumprimentou os deputados que votaram favoravelmente à matéria.  “Tivemos uma votação em massa de 402 deputados. Já tínhamos uma PEC que regulamentava as provas de rodeio e agora teremos uma lei que nos ampara, em que juiz nenhum poderá, de última hora, dar uma canetada dizendo que o evento não pode ser feito. Então é de grande valia o que está sendo feito e queremos agradecer todos os deputados que viram que o rodeio, a vaquejada e as provas equestres geram muitos empregos e podem ter certeza que estaremos nesta luta sempre”, afirmou o barretense.

PROJETO: A proposta é consequência da Emenda Constitucional 96, que, entre outros pontos, reconhece a vaquejada e o rodeio como um bem de natureza imaterial integrante do patrimônio cultural brasileiro. A emenda determinou a regulamentação da prática por uma lei específica, que assegure o bem-estar dos animais envolvidos. De acordo com o texto aprovado na noite de terça-feira (9), ficam reconhecidos o rodeio, a vaquejada e o laço como expressões esportivo-culturais pertencentes ao patrimônio cultural brasileiro de natureza imaterial, sendo atividades intrinsecamente ligadas à vida, à identidade, à ação e à memória de grupos formadores da sociedade brasileira.