23 de Agosto de 2019 | 15:00:27

23 de Agosto de 2019 | 15:00:27

17/07/2019 | Política / Política

Vereadores rebatem posicionamento sobre omissão com centro comercial

Parlamentares ressaltam que projetos devem partir do Poder Executivo

Vereadores rebatem posicionamento sobre omissão com centro comercial

SITUAÇÃO: Manutenção de áreas públicas como região central é alvo de críticas de população e empresários
Tininho Junior

Ampliar foto

Vereadores rebateram o posicionamento do empresário Carlos Miziara ao criticar possível omissão da Câmara em relação ao centro comercial e calçadão. Segundo Miziara, os vereadores deveriam votar projetos estabelecendo verbas específicas de áreas como o calçadão, praças e outros locais públicos.

OPINIÕES:  Euripinho Naben (PDT) reiterou que projetos que geram despesas devem partir do prefeito e sugeriu que o assunto seja debatido com a população. “Tudo que é bom para cidade deve ser feito, mas antes é preciso ouvir o povo que deve opinar inclusive sobre os destinos da área comercial”, observou. 

Raphael Oliveira (Patri) também ressaltou que a reforma do calçadão não passa pelo Legislativo. “Teve audiência pública e ninguém da ACIB compareceu, temos uma prefeitura endividada, saúde precária e previdência que deve mais de R$ 150 milhões, por isso temos aspectos mais importantes para analisar além da reforma do calçadão”,ponderou.

Betim da Comunidade (PSDB) ponderou que não cabe aos vereadores obrigar a prefeitura. “O prefeito tem que mandar projetos para Câmara aprovar ou não”, destacou. 

Carlão do Basquete (PROS), que coordenou audiência pública sobre abertura do calçadão, acredita não ser o momento propício para remodelação da área comercial e que a cidade tem outras prioridades. “Na audiência os moradores não concordaram, o Executivo que planeja as obras e o projeto não passa pela Câmara”, observou.

O vereador Lupa (DEM) enalteceu o trabalho dos empresários, mas declarou que não existe omissão por parte dos vereadores. “Não podemos fazer projetos que, ao chegar às mãos do prefeito, demande custo de verba pública e quem gerencia o orçamento é o prefeito”, declarou. Paula Lemos (PSB) disse que compreende a insatisfação da população. “A ineficiência do Poder Público em manter os espaços públicos adequados é insatisfação de todos nós”, disse.