17 de Setembro de 2019 | 03:52:30

17 de Setembro de 2019 | 03:52:30

24/07/2019 | Opinião / Editorial

Boas respostas e maiores perguntas

A divulgação oficial tem sido constante, as informações amplas e positivas e os valores animadores. Barretos e outras 5 cidades - Araraquara, Franca, Guarujá, São Carlos e Votuporanga - recebem voos comerciais regulares até o final do ano. Ao todo, para atender as seis cidades, serão 74 voos semanais operados pelas companhias Azul, Gol, Latam e Passaredo. Algumas questões - entretanto - estão abertas.

- Quais os horários de pouso e decolagem, escalas previstas e aeroporto de destino? Mais ainda: o preço das passagens, tipo de aeronave e lugares disponíveis? Como será adequado o aeroporto ?

Os motivos da "proposta de voos regulares" estão claros. É uma contrapartida de redução de impostos, colando com perspectivas de novos serviços e maior atendimento a população. Política e negócio somando dois e não zero. O governo estadual reduziu  a alíquota de ICMS sobre o combustível dos aviões de 25% para 12%. Em contrapartida, as empresas deverão acrescentar 490 novas partidas semanais no estado até o final do ano: 416 voos nacionais – para 21 estados e 38 destinos – e 74 dentro do próprio estado.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), dos 490 novos voos, 269 já estão em operação e os demais serão operacionalizados até o início de 2020. “Com a nova alíquota, a arrecadação prevista para 2019 sobre a comercialização de querosene aéreo cairá de R$ 627 milhões para R$ 422 milhões, mas a compensação total – direta, indireta, induzida e catalisada – representa uma previsão de ao menos R$ 316 milhões”, destacou o governo do estado em nota.

- Até o final do ano é um prazo. Mas quem pode ser mais objetivo numa data para atender os barretenses?