23 de Setembro de 2019 | 17:13:39

23 de Setembro de 2019 | 17:13:39

26/07/2019 | Opinião / Editorial

Plantando uma semente de esperança

Qual o futuro do agronegócio barretense e regional? A questão passou a ser relevante porque estudos recentes do governo federal indicam que o Brasil vai produzir 300 milhões de toneladas de grãos na próxima década. O crescimento anual deverá ser de 2,4% até 2028/29. Os números são do estudo Projeções do Agronegócio, Brasil 2018/19 a 2028/29, do governo federal.

O aumento nacional virá - principalmente, do cultivo de soja e de milho nos estados do Mato Grosso e do Paraná. A produtividade da agricultura  deve crescer no próximo decênio com taxa anual de 2,98%.

Os produtos mais dinâmicos do agronegócio brasileiro - com maior crescimento -  deverão ser carne suína, soja em grão, algodão em pluma, celulose, milho, carne de frango, leite e açúcar. Entre as frutas, destaques para a manga, uva e maçã.As carnes - bovina, suína e de frango - devem passar do volume atual de 26 milhões de toneladas para 33 milhões de toneladas, alta de 27%. As carnes suínas e de frango são as que apresentam maior destaque nos próximos anos, com incremento de aproximadamente 28% cada uma.

O avanço nacional não parece ser plantio regional e municipal. Depois do período da diversidade, das áreas irrigadas, pomares citrícolas, café, seringueira e pecuária, hoje há predomínio avassalador da cana. A revolução no campo agrícola retrata as novas fronteiras abertas no país. Entretanto, ainda assim, vale a pena entender como plantar ideias de fomento do agronegócio, com produtividade elevada e rentabilidade ativa, impedindo que uma vocação de raiz possa ser descartada completamente. A semente da esperança deve ser cultivada. Pois afinal, qual é o real futuro do agronegócio do interior paulista?