23 de Agosto de 2019 | 15:30:52

23 de Agosto de 2019 | 15:30:52

11/08/2019 | Especiais / Saúde e Bem Estar

Médico esclarece sobre atendimentos no Pronto-Socorro durante Festa

Coordenador diz que unidade está preparada para aumento da demanda

Médico esclarece sobre atendimentos no Pronto-Socorro durante Festa

SAÚDE: Coordenador do Pronto-Socorro da Santa Casa de Barretos César Maurício da Silva
Tininho Junior

Ampliar foto

O coordenador do Pronto-Socorro da Santa Casa de Barretos, César Maurício da Silva, explicou sobre o atendimento no período da Festa do Peão, de 15 a 25 de agosto. Ele citou que no ano passado, o público do evento superou 1 milhão de pessoas nos 11 dias e defendeu a importância  de se ter um plano bem estruturado para atendimento aos diversos tipos de ocorrências médicas. Também ressaltou que o público da Festa é predominantemente jovem e que há consumo de bebidas alcoólicas.

O médico disse que anualmente as partes envolvidas com essa estrutura de apoio se reúnem para os alinhamentos, incluindo Os Independentes, Unimed (responsável pelo atendimento médico no Parque), SAMU,  Bombeiros,  UPA,  Santa Casa,  Polícia Militar, Defesa Civil e outros órgãos.

“A Santa Casa faz parte dessa estrutura, mas tem papéis bem definidos: cabe-lhe o atendimento aos casos de maior complexidade e gravidade, que requeiram recursos hospitalares. Por exemplo, se um peão sofre um acidente durante a montaria e tem um traumatismo no crânio, certamente será encaminhado para a Santa Casa, após os cuidados básicos no local. Por outro lado, um participante que está com mal-estar, por excesso de bebida, deverá ser atendido nos postos médicos do Parque e encaminhado para a UPA, se necessário”, explicou.

O dr. César disse que todo esse processo de direcionar o paciente para o local adequado de atendimento é feito por profissionais treinados, como os médicos e enfermeiros locados no Parque, com a regulação pela equipe do SAMU, quando necessitam remoção para a UPA e Santa Casa.

“O Pronto-Socorro da Santa Casa se prepara em todos os anos para as peculiaridades do período da Festa. Espera-se um aumento dos casos de traumatismos, pelos próprios peões, durante os treinos e as competições, mas também por brigas entre os frequentadores da Festa, e o mais grave pelos acidentes de trânsito, nas rodovias e nas ruas da cidade, dado o substancial aumento do fluxo de veículos”, contou.

Segundo o médico, há também casos de pacientes com doenças crônicas, sobretudo cardíacas e respiratórias, que podem ter algum problema durante a visita à cidade. “Isso não significa que a Festa desencadeie esses problemas. Imagine que a população de Barretos, durante o período da Festa, aumenta 5 a 6 vezes. É natural esperar que aumente a demanda por atendimento no hospital”, relatou. O período do ano contribui para alguns agravos. “Agosto é um mês mais frio e as baixas temperaturas se associam à piora de problemas cardiovasculares, como infartos do coração e AVCs. Também é um período de baixa umidade do ar, intensificando os problemas respiratórios”, continuou.

O dr. César lembrou que as aglomerações de pessoas facilitam a transmissão de doenças pelo ar e pelo contato com secreções corporais disseminadas pela tosse e limpeza de “nariz escorrendo”.

Segundo o médico, o consumo de drogas ilícitas psicoestimulantes, sempre presente na rotina do hospital, apresenta aumento nesta época, trazendo vários problemas. “Essas substâncias fazem aumentar a pressão do sangue e alteram os batimentos do coração, provocando arritmias (incluindo alguns tipos que ocasionam morte súbita), infartos, hemorragias no cérebro, etc. Importante esclarecer que essas situações ocorrem mesmo em indivíduos jovens e saudáveis. Há também os problemas psiquiátricos desencadeados por essas drogas, como surtos psicóticos, agressividade, tentativas de suicídio, etc”, completou.  “Enfim, por tudo isso a Santa Casa, como o hospital de referência da região, precisa estar preparada e atenta. É um período de grande concentração para as lideranças dos setores de emergência”,  explicou.

ACIDENTES
Uma das maiores preocupações para as equipes de emergência da Santa Casa é o risco de acidentes com múltiplas vítimas. “Com maior movimentação e aglomerações de pessoas podem ocorrer acidentes com múltiplos veículos, ou envolvendo ônibus, descontrole de multidões com pisoteamento ou sufocamento de pessoas, incêndios em locais fechados, intoxicação alimentar em larga escala, atentados, etc. Obviamente, assusta-nos a simples ideia de tais possibilidades e muitas pessoas e instituições trabalham arduamente para reduzir todos esses riscos. Nessa linha, a Santa Casa tem um plano de contingência para atendimentos a incidentes com múltiplas vítimas, revisado anualmente, e posto em prática em simulações, em conjunto com o SAMU, Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Militar e Civil, DRS, Secretaria da Ordem Pública, Faculdade de Medicina e outros órgãos”, completou.  Neste ano o treinamento simulado ocorreu no dia 11 de junho.