17 de Setembro de 2019 | 03:53:44

17 de Setembro de 2019 | 03:53:44

13/08/2019 | Opinião / Editorial

Dilemas mapeados por Geninho

Dilemas mapeados por Geninho

O relator do projeto da Câmara dos Deputados para novo marco legal do saneamento básico, Geninho Zuliani, prepara o “esqueleto” para votação no Parlamento. O texto aprovado no Senado em junho está sob análise dos deputados. O ex-prefeito de Olímpia admite que dificilmente o país conseguirá a meta de universalização dos serviços básicos até 2033 – prazo previsto no Plano Nacional de Saneamento – exigindo recursos da ordem de 600 bilhões de reais para execução.

Geninho Zuliani explica que o relatório está alinhado, com opções para debate. Os dilemas estão todos mapeados, acrescenta.
O maior impasse atual envolve empresas de saneamento públicas que são ineficientes, querendo sobrevida. O deputado do DEM-SP revela que “tem uma diretriz” para atender os dramas nacionais da área de saneamento.

- Quando se coloca todos os atores e possibilidades na mesa, fica muito nítido que, sem investimento privado, o saneamento não anda – adianta.

O ponto animador da proposta que tem o deputado paulista como relator está na articulação para encaminhamento de soluções práticas, objetivas e verdadeiras. A tese é que há recursos para investimentos. “O dinheiro existe e as empresas que têm o know-how precisam de recursos, porque é bom para todo mundo”, pondera Geninho Zuliani.

O ritmo de prioridades na Câmara dos Deputados sempre sofre influências de diferentes segmentos, sentidos e intensidade. Mas é claro que a agenda da Casa Comum, com qualidade de vida, passa sim por novo marco legal do saneamento.