23 de Setembro de 2019 | 15:26:39

23 de Setembro de 2019 | 15:26:39

11/09/2019 | Política / Política

Câmara retira urgência de projeto sobre Guarda Municipal e prefeito critica

Chefe do Executivo diz que não entende a intenção de cada um dos parlamentares

Câmara retira urgência de projeto sobre Guarda Municipal e prefeito critica

LEGISLATIVO: Vereadores participaram no dia 9 de setembro da segunda sessão ordinária do mês
Assessoria Câmara

Ampliar foto

A Câmara aprovou a retirada da urgência na tramitação do projeto de lei que cria a Guarda Municipal em Barretos. Os vereadores chegaram a discutir a questão, mas a retirada solicitada pela Comissão  de Justiça e Redação,  foi aprovada por 10 votos. Agora, a matéria segue para análise das comissões especiais do Legislativo. O vereador Luiz Umberto Sarti (PTB) argumentou a necessidade de tempo hábil para a análise.

“Temos a questão do Instituto de Previdência que não tem os repasses em dia, vai se acumulando como outros setores. Tem que ter cautela, isso é uma preocupação e não sou contra o projeto”, observou.  Raphael Dutra (PSDB) ponderou que a medida aprovada causará demora na aprovação final. “O que poderia ser votado em 45 dias poderá ir para 90 por conta do regimento”, opinou. “Tem custo, mas o orçamento do município suporta para que tenhamos a Guarda Municipal com 40 vagas”, acrescentou.

Já Paulo Correa (PL), membro da Comissão de Justiça e Redação, declarou que cinco dias seriam pouco para analisar o projeto e dar um parecer. “Nada contra a implantação da Guarda Municipal e o prefeito, mas ele não está pagando a previdência, o SAAE e está se criando uma nova despesa”, comentou. “Temos a atividade delegada que é um convênio que pode utilizar policiais militares para desenvolver a segurança em Barretos. O prefeito demorou sete anos para pedir uma urgência em um projeto como esse”, acrescentou.

EXECUTIVO: O prefeito Guilherme Ávila criticou a postura dos parlamentares que votaram a favor da retirada de urgência. “Os vereadores participam de coletiva, apoiam, aplaudem, falam que vão aprovar e chega na hora fazem diferente. Eu não entendo a intenção de cada um, no mínimo boa não é”, disse.

ORDEM PÚBLICA: O secretário Cláudio Muroni admitiu estar decepcionado. “Acompanhei o resultado da Câmara e fiquei decepcionado com algumas pessoas que votaram para a retirada da urgência, isso pode acabar atrapalhando todo o processo”, afirmou. “Entendo que querem um tempo maior de análise, mas o projeto está bem completo com todas as questões orçamentárias e tem embasamento legal”, afirmou. O secretário de Ordem Pública pediu aos vereadores que compõem a comissões que possam tramitar o projeto com mais celeridade. No regime de urgência, as propostas são analisadas em até cinco dias. Na tramitação normal, cada comissão pode exarar parecer em até 15 dias. “Espero que os vereadores possam fazer a avaliação o mais breve possível e que não esperem os 15 dias, o que pode inviabilizar a instalação da Guarda Municipal em meados do ano que vem”, finalizou.